Irmandade e Grupos de Oração 
  Para Nossa Senhora a Virgem Maria 
  A que Desata Os Nós 

    EXPLICAÇÃO DA INVOCAÇÃO DE NOSSA SENHORA DESATADORA DOS NÓS

    Quando falamos sobre "invocações" de Nossa Senhora deve-se entender que sempre honramos
    a uma só Virgem Maria. Às vezes surgem imprecisões que levam a se converter seu culto em
    falsas práticas neopagãs ou a novas heresias.

    Maria é a Mãe de Jesus, quem lhe deu “a carne do Verbo Divino”. Concebeu a Jesus,
    milagrosamente, para que Nosso Senhor Jesus Cristo cumprisse com o mandato do Pai, Nosso
    Deus: trazer-nos os ensinamentos divinos (verbo divino) e sofrer como verdadeiro homem. O
    que o levou à Cruz, para expiar nossos pecados e abrir-nos o caminho para a Vida Eterna, com
    a Ressurreição.
     Este papel de Mãe, e o de primeira discípula de Jesus, a tornam Santa.

    Nós, os católicos, acostumamos representar com algo físico aquilo que não se pode ver. Por
    exemplo, o Espírito Santo, por uma pomba; Jesus Cristo, por uma Cruz, etc. Para venerar os
    santos, pintamos quadros ou esculpimos imagens, para mostrar, de maneira simbólica, cada uma
    de suas virtudes. Um quadro com uma imagem bem pintada é uma soma de elementos que
    sintetizam a mensagem Evangélica que se quer dar.

    A primeira imagem de Nossa Senhora foi pintada por São Lucas, Apóstolo, médico, escritor e
    pintor, para ilustração de um códice (pergaminho manuscrito). Nela se vê a Santa Mulher com
    um Menino, e escrito, em caracteres gregos, a indicação de que é a Mãe de Deus. Desta imagem
    provieram todas as “madonas” (senhoras, em italiano) que se seguiram. Aqueles que as pintaram
    denominaram-nas: Salus Populi Romani (Auxílio para o Povo Romano), Nossa Senhora das
    Neves, e assim os mais de dois mil títulos atribuídos à única Virgem Maria.
 

    Cada título é uma invocação. “Invocação” é o nome que se dá a uma imagem que pertence a
    um lugar (cidade, povoado, etc.) ou a alguma bondade que Nossa Senhora manifesta com suas
    graças. Nossa Senhora de Guadalupe é a Virgem Maria na cidade de Guadalupe, no México.
    Nossa Senhora de Lujan, porque foi introduzida na cidade de Lujan, na Argentina. Nossa
    Senhora de Fátima, porque Ela apareceu na cidade de Fátima, em Portugal. Nossa Senhora
    do Rosário, porque Ela nos presenteia com o Santo Rosário. Nossa Senhora Aparecida (do
    Brasil), porque apareceu na rede de uns pescadores. E assim sucessivamente.
 

    Todas e cada uma das imagens que veneramos devem ter um fundamento e uma história que a
    justifique. Pois é pecado de idolatria venerar, e mais ainda adorar, uma imagem que, mesmo
    que pareça com a Virgem Maria, não se tenha bem claro de qual invocação se trata. É uma
    irreverência para com Nossa Senhora venerá-la diante de qualquer material físico que não a
    represente. Este é um problema freqüente nos países latinos da América para onde, por causa
    da imigração, eram trazidas imagens que nem sequer se conhecia, com segurança, o nome e a
    origem. A influência indígena, e a influência africana,complicaram ainda mais.

   Em alguns países sul-americanos foram introduzidos cultos à “Virgem Maria que Desata os Nós”,
   como se fez aqui (na Argentina?), com a denominação de “Virgem Desatadora dos Nós” ou
   “Nossa Senhora de Knotenlöserin”, sem se saber nada sobre ela – ou seja, sua história e a
   verdadeira significação -, correndo-se o risco de, sem querer, praticar uma idolatria, dado o
   perigo de desvios esotéricos e mágicos, pois muitos cultos de umbanda, curandeirismo e
   astrologia usam imagens de Nossa Senhora.

   Este foi o motivo porque se fez mil investigações para ser-lhe dado um fundamento correto.
   Primeiro, a história. Segundo, o significado dos símbolos que estão na Imagem.

   A interpretação da mensagem também deve ser exata. Para uma sã veneração deve dar-se uma
   explicação sobre a “Invocação”, que tenha uma clara mensagem evangélica.

   No caso de Nossa Senhora Desatadora dos Nós, por se desconhecer sua origem, no princípio
   definiram-na, improvisadamente, com fundamento no Apocalipses, ou escritos de Santo Irineu
   de Lyon, no que se refere ao paralelismo entre Eva e Maria: “O nó da desobediência de Eva
   está desatado por meio da obediência de Maria”. Esta afirmação, do século II de nossa era,
   pode aplicar-se a este quadro, mesmo se não existir o fato histórico, que se tem investigado.

   Portanto, nesta Invocação, Nossa Senhora é aquela que “desata os nós do “cinto” da vida
   conjugal” e, por conseguinte, das pessoas e dos povos.

   Agrada-nos que nos chame por nossos nomes e por nossas funções. Nossa Senhora se alegra
   quando se se refere a ela com a precisão de que é merecedora. A esse respeito, sobre a esta
   invocação, todos os detalhes, fundamentos e precisões são encontrados no meu livro “Maria als
   Knotenlöserin – Virgem Maria Como Desatodra dos Nós – A Verdadeira História”. Este livro
   tem a aprovação da Igreja Católica Apostólica Romana.

   Prof. Mário H. Ibertis Rivera – Setembro, 2003.


    PORQUE A COMEMORAÇÃO NO DIA 28 DE SETEMBRO

    No dia vinte e oito, o último prometido pelo padre Jakob Rem S.J. a Wolfgang deu-se no
    quarto sábado, no 28º dia que o nobre havia terminado suas orações nas visitas diárias a Nossa
    Senhora com a invocação de Nossa Senhora das Neves, no Mosteiro de Inglostad. “Nesse
    dia – 28 de setembro de 1615 – o venerável padre Jacob tomou o “cinto” matrimonial e,
    desfazendo o último laço, o alisou diante da Virgem. Com um gesto muito cerimonioso,
    formulando seus pedidos pelo casal e pronunciando muitas frases com uma cadência quase
    musical. Fez uma série de exortações próprias a comover os mais duros corações.

    Quando o padre Jakob elevou o cinto (para a Imagem), um pintor (Hans), entre lágrimas, notou
    que “este ia adquirindo um branco tão puro que jamais poderia ter saído de seu pincel”, palavras
    que o mesmo pintor transmitiu o fato, muitos anos depois, a seu filho Johann.

    Era a mesma cor que havia tido no dia em que Wolfgang e Sophia pronunciaram seus votos
    matrimoniais: branco esplendoroso, como uma luz que iluminava a noite, e puro como as
    açucenas de Ingolstadt.

    No vigésimo oitavo dia, à noite, Wolfgang voltou à sua casa em Augsburgo, muito contente e
    muito emocionado. Chegando à sua casa, descansou, tendo dormido como nunca havia feito
    em sua vida.

    No domingo, quando encontrou-se com Sophia, abraçaram-se, rodeados de seus pequenos
    filhos. Wolfgang mostrou à Sophia “o cinto matrimonial”, branco, radiante como essas açucenas
    de Nossa Senhora de Ingolstadt. O cinto estava firme e liso como no primeiro dia de suas bodas,
    no que os dois compreenderam tudo...

    Neste dia, os quatro (eles e seus dois filhos) foram à Igreja de São Pedro dar graças a Deus e
    a Nossa Senhora. Ali eles tomaram o cinto e “voltaram a unir seus braços como fizeram seus
    padrinhos no dia das bodas”, renovando, assim, seus votos matrimoniais, com profundas
    orações. (Dos livros “Rito dos 28 dias com a Virgem Maria, Desatadora dos Nós” ©, e
    “Maria Knotenlöserin – Maria Desatadora dos Nós – A Verdadeira História” © Copyright by
    Mario H. Ibertis Rivera, 2001)

    É por este motivo que se determinou como Calendário para Nossa Senhora Desatadora dos
    Nós, o dia 28 de setembro. Embora, por tradição, honramos a Virgem Maria todos os dias
    8 de cada mês, peregrinando até o seu santuário, e os dias 28 de cada mês, como
    “Dia de Súplica”.

    Prof. Mario H. Ibertis Rivera - 2003 de setembro.



Doações Continuar
RETORNO..................................................................................................................CONTINUAR

 Página projetada por MHIR Copyright por Mario H. Ibertis Rivera©
  Traduzido por MHIR Copyright 2003(Brazil) 2005

 Nenhum dado ou informação de esta pagina pode ser reproduzido através de meios de gráficos ou
eletrônicos sem a autorização escrita do autor: Mario H. Ibertis Rivera ©2003-2010